Ed Caliban

Historiografia da Analepse (2021) — fragmento

O SEGUNDO VOO DE ÍCARO

Sonho com o ninho da águia

noite após noite

sem pausas ou descanso

e descanso só

poisando bravo no leito

nu, seu áureo céu

fugaz, ora maldizendo

a distância, ora batendo

asas e voando

horizonte afora

onde magia e enlevo

são um só

e a fauna devora

a razão.

*

COMO VIM AQUI PARAR

Como vim aqui parar?

A primeira casa da infância.

O passado mais passado da memória indistinta.

Corro em direção à cama empoeirada,

com meu inesgotável vigor de infantário

lacero o pé numa lança de ferro e, sufocado pelo calvário,

choro por minha mãe, que de capa em riste me acode de pronto,

pronta para me lavar e untar os pés como Jesus no corcovado

de braços abertos, curvado aos pés de seus apóstolos.